Treino, fundamentos e hard work

05/08/2012

De repente, começam a surgir especialistas em esgrima, boxe, pólo aquático,  ginástica olímpica, como se estes esportes fossem populares, vistos pela grande massa. É o efeito dos jogos olímpicos, um embate entre as nações sem derramamento de sangue traduzida em uma competição entre super seres humanos.

Como é de se esperar, todos estão de olho nos resultados. É o atleta na beira do trampolim para realizar um salto complexo diante de milhares de espectadores, o nadador mais rápido, o velocista que corre 100m em menos de 10 segundos, enfim, medalhas. Ninguém da imprensa, ou entre os especialistas de plantão, quer saber dos três anos anteriores de treino, dos dias de sacrifício, das dores, das repetições exaustivas dos fundamentos mais básicos de cada esporte, das noites mal dormidas, do coaching psicológico. Ninguém.

Um atleta olímpico, sob pressão, não fica rezando para dar certo. Não faz figa. Não liga para a mãe. Ele executa o que treinou a exaustão, em todos os fundamentos. Ele é disciplinado, trabalhou muito duro para estar ali e se dar o luxo de se desesperar não passa nem perto da sua cabeça. Uma força física e psíquica, que só se sustenta porque sabe que fez o dever de casa. A vitória é uma consequência.

Uma frase extraída de um artigo do Grant Cardone sintetiza esse espírito: “Under pressure, you do not rise to the occasion, rather you sink to your level of training.” Barrett Tillman. Em uma tradução livre: “Sob pressão, você acha que se levanta diante da situação, ao invés, você se afunda nos fundamentos da sua formação”. O que ele quer dizer é que ninguém gosta de treinar, ainda mais os fundamentos, mas que, nessa hora, todo o esforço faz valer a pena e você tem toda a confiança que precisa para executar, e sabe que vai funcionar.

Existe um ditado que diz que quem quer paz, deve se preparar para a guerra. No mundo dos negócios, quem deseja obter bons resultados precisa focar nas bases, nos fundamentos de vendas, no estabelecimento de um ecossistema saudável, no modelo de como será jogado o jogo, transparente e, mesmo que isso leve tempo, são os pilares para o alto desempenho.


Empresa americana de software livre expande sede no Recife

23/07/2012

Matéria veiculada no JC PE: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/tecnologia/noticia/2012/07/20/empresa-americana-de-software-livre-expande-sede-no-recife-49824.php


Recicle, mude.

01/07/2012

- Um carrinho de mão velho, enferrujado e furado.
– Chapa de alumínio (comprada em qualquer loja de ferragens)
– Metade de um “quartinho” de tinta para metais, neste caso “Vermelho Goya”
– Rebites, furadeira, e um pincel

Este slideshow necessita de JavaScript.


Atalhos

03/06/2012

Não estamos no final do ano, nem nos dias de pagar promessas, mas se estivéssemos e, de fato funcionasse, valeria a pena pedir que o mundo não virasse mais ao avesso.

Quer emagrecer? Faça exercícios, aprenda a comer bem. Se nada funcionar, o problema é físico, procure um médico. Quer ganhar dinheiro? Trabalhe, muito. Invista em você mesmo, seja competente, responsável com o que faz e a oportunidade certa aparecerá. Quer mudar de emprego? Pare de reclamar no corredor da empresa, tome atitudes, corra atrás. Quer fechar aquele negócio de um milhão de reais? Lute, muito, não vai vir de mão beijada. Quer aprender a jogar tênis? Treine, procure aprender a técnica. Sabe o que tudo isso têm realmente em comum? O fato de que, sem disciplina, sem força de vontade e continuidade, nada acontece.

Vamos ao Brasil de hoje: crescimento de 0,2% do PIB neste primeiro trimestre e, o governo começa a cortar impostos da industria automobilística para estimular o consumo. Como querer que o país compre mais em meio a uma crise mundial provocada por? Excesso de consumo! Países que imprimiram dinheiro demais! Que viveram, por anos, um padrão de vida além da realidade. O governo quer que o povo financie veículos, mas não é capaz de frear este impressionante aumento dos imóveis. A população está endividada até a alma para pagar as prestações, como vai sobrar dinheiro? O “Minha casa minha vida” está fazendo jus ao slogan, porque vai levar a vida inteira para pagar o empréstimo.

Estes atalhos, ou medidas econômicas, vão na contra-mão da eficiência operacional, mascaram as falhas que nos impedem de sermos mais competitivos e não são nada sustentáveis. A Alemanha foi destruída por duas grandes guerras e continua como a maior potência européia. Isso não pode ser coincidência, é uma nação capaz de planejar com maestria o longo prazo. O que estamos fazendo? Ignorando a história e insistindo no erro. Falta de inteligência é algo difícil de engolir.


Learning head down and sit fly basics

23/04/2012

@Arizona, USA, April 2012

Learning Headdown and sitfly basics


O existencialismo… depois de uma noite de “O mal estar na civilização”

01/04/2012

Os últimos dias, tão intensos, sem saber do futuro, nem o que de fato realmente penso. Se pudesse ter 20 novamente, talvez não precisasse então.

Quando o “eu” encontra o ideal, em mente, sem abaixar a guarda, ou deixar a influência externa presente. Apenas os mais fortes e a família entendem.

Os amigos que envelhecem, apenas o corpo, mas não a mente. Quando saímos a noite e ela já não é tão atraente.

Se o mal é a neurose, inventamos uma cura sóbria que não envolva agressão ou sonolência.

Por isso vivemos do modo que podemos, não do que queremos e o que importa, no final, é a construção, não o seu eu ideal.

Tenho saudades das melodias inocentes, da ingenuidade, da ignorância e do tempo em que o braço paterno era mais do que suficiente.

Crescemos, amamos, sofremos, em um ciclo eterno na sua plenitude e totalmente injusto na sua essência.

E as aspirações? Que ano após ano nos contentamos em ver os grandes projetos não executados presentes?

O intelectual que nunca fui, nem vou ser, o melhor amante, o mais especial, uma imaturidade sem igual.

“Age como se a máxima de tua ação devesse tornar-se, por tua vontade, lei universal da natureza”

O imperativo categórico Kantiano, sem poder contar com Dionísio, Baco e Morrison, é como se torturar para suportar o “eu” original?


Laura Marling

18/03/2012

Laura MarlingDevo admitir, faz tempo que não vejo alguém tocar tão bem, e sendo tão nova.

Dediquem um tempo, qualquer música. Existem várias disponíveis no Youtube. Comecem com NEW ROMANTIC, que ela escreveu com apenas 16/17 anos, depois DEVIL SPOKE, NIGHT AFTER NIGHT, RAMBLING MAN, ALL MY RAGE, GOODBYE ENGLAND (COVERD IN SNOW)

Impressionante a sabedoria poética, linha melódica, técnica, canções com o violão afinado em mi maior implicando em um country, mas que, no meio, você se impressiona com um canto lírico, acordes simples, violão clássico, a mulher é capaz de passear por diversos ritmos e técnicas.

Para quem é músico, amador ou profissional, uma verdadeira inspiração. Para quem é simplesmente um amante da música, se identifique, escute com atenção, aprecie as letras que as melodias se encarregam de revelar verdadeiras obras de arte.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.